Nesta semana Hannah Montana completou 13 anos do lançamento oficial de seu episódio piloto. Que fã, ou mesmo telespectador da época apenas, não lembra daquele fatídico episódio em que Lilly, grande fã da Hannah e melhor amiga de Miley Stuart, descobre que elas são a mesma pessoa? Foi ali que tudo começou.

No domingo, 24 de março, data oficial do aniversário de lançamento, muitos atores comemoraram e relembraram a data: inclusive nossa Miley e seu pai, Billy, que também fazia seu pai na série.

Miley postou uma foto em que mostrava ela na época no aeroporto de Nashville a caminho de Los Angeles para o início de uma carreira que a levou, e leva até hoje, para todo o mundo.

Claro que, além disso, em seu Instagram, rede da qual Miley já vêm brincando com seus posts há um tempo, ela também não ia deixar passar. Ela usou imagens da época, da própria Hannah Montana, em choque ou como ela reagiria ao ver a Miley do futuro, como ela no VMA de 2013 ou usando apenas um “tapa-peito” nos palcos.

Apesar da série ter sido sua porta de entrada oficial no mundo das popstars, sua história é quase verdadeira. Ter “o melhor dos dois mundos” era um desafio, principalmente quando Miley tinha que realizar a tour como Miley e Hannah. Conciliar tudo com certeza não era fácil. Além de, claro, os processos mais comuns de uma jovem tão famosa em todo o mundo, como estudos, vida pessoal, amizades, relacionamentos e por ai vai.

E Hannah Montana não foi apenas uma série e uma tour pelos Estados Unidos. Foi também um filme de seu show que rodou os cinemas de todo o mundo, vários jogos de videogame e outro filme: “Hannah Montana: O filme”, em que todos se lembram da cena dela tirando a peruca no palco ou, claramente, da música The Climb, que nos mostra como a jornada é difícil, mas a vista pode ser sempre incrível.

A série teve 4 temporadas, 98 episódios e durou de 2006 à 2011, terminando com a temporada chamada “Hannah Montana: Forever”, em que a personagem já estava na faculdade. E também nesta semana foi criado um perfil no Instagram, @HannahMontana, que já é seguido por 22 mil pessoas e inclusive a própria Miley, sem divulgação ou fotos postadas. O que isso significa? Não sabemos.

Com toda essa comemoração, diversos fãs do mundo todo se reuniram para contar experiências que tiveram em relação a cantora, atriz e até a personagem. Uma grande inspiração e como salvou a muitos. Pensando nisso e também inspirados por todas as histórias compartilhadas relacionadas a alguém que admiramos tanto, compilamos algumas histórias de alguns integrantes da nossa equipe:

Débora Brotto

Começando por mim mesma (rs), eu lembro certinho de assistir a estreia na série no Disney Channel. Lembro dos detalhes do episódio e, claro, que revi muitas vezes. Acompanhei até o fim. Tive a oportunidade de ir nos dois shows da Miley que passaram pelo Brasil, mesmo no primeiro sendo jovem e tirando o dinheiro da poupança. Aquele ingresso físico da Gyspsy Heart Tour brilhante estará para sempre guardado. A Miley sempre foi uma inspiração como atriz, cantora e principalmente a personagem cativava. Mostrava uma vida que eu sempre quis ter no sonho adolescente: ser famosa, mas não perder todos meus amigos próximos e a liberdade de andar onde quisesse. Como filha única, lembro muito da Miley com suas músicas e por passar noites adentro brincando de uma vida minha em paralelo com o espelho como se fosse ela. Além de, claro, sofrer com todas suas músicas românticas, mesmo sem ter vivido nada ainda com meus míseros 11 anos. Pra mim hoje, com 23 anos, a inspiração que ela passa é por termos “crescido juntas” e mudarmos os pensamentos e ações em conjunto. O fatídico VMA de 2013 foi no mesmo ano que entrei na faculdade e também descobri a vida mais polêmica e liberta. Além disso, quando ela casou eu comecei meu primeiro namoro oficial. Ou seja, pra mim a Miley é uma amiga distante, mas que está ali pra mim: nas mudanças diárias, nas lutas diárias por direitos humanos e igualdade, por experimentar outras coisas e inspirar em tudo.

Larissa Vilarinho

Eu lembro da primeira vez que vi Hannah Montana. Eu estava na casa de uma amiga brincando e resolvemos fazer uma pausa pra assistir TV. Ela colocou na Disney e ia começar a passar algum episódio da série. Pronto. Amor à primeira vista e lá já se foram 12 anos. Lembro também de quando a Miley veio pro Brasil pela primeira vez e não pude ir ao show o quanto isso me deixou mal e frustada. Lembro quando comprei meu primeiro cd dela, lembro quando sai que nem doida atrás do livro que ela escreveu. E lembro do momento mais especial dessa trajetória: ver ela pela primeira vez em 2014. Eu lembro de tudo, seja na época de Hannah, que marcou minha infância, como na época de Miley, que marcou minha adolescência e agora a fase adulta. É uma paixão que não acaba e que sempre vai inspirando.

Isadora Salines

Hannah Montana ajudou a moldar minha identidade. Era parte da minha infância e adolescência. Lembro de visitar minhas amigas, olhar os filmes, cantar as músicas. Aprendi muito sobre amizade, sobre parceria, sobre respeito. Muito mais do que só um programa de TV, foi uma forma de aprender sobre crescimento. É incrível como a série e os personagens foram se transformando. Do lado de cá, também fui transformada. Guardo tudo isso comigo, faz parte de mim e das coisas que acredito. Sem dúvidas Hannah Montana foi um acontecimento muito importante na minha vida e na de muitas outras pessoas.