MatériasMúsicaNotícias

Billboard: Miley Cyrus deixa o pop para trás no “Miley Cyrus & Her Dead Petz”

By setembro 1, 2015 No Comments

223-4O advento dos lançamentos de álbuns inesperados ao longo da última década, deu lugar ao surgimento de talentos de elite da indústria da música. Há muito tempo existe uma divisão entre as músicas que tem “qualidade de álbum” e músicas que tem “qualidade mixtape” – ou, pelo menos, há uma diferenciação na expectativa geral dos consumidores casuais – mas a estratégia de liberação surpresa deu lugar a um movimento mais substancial do que rappers guardarem suas melhores batidas para seu próprio álbum e as mais estranhas interpolações para a sua mixtape. Vendas de álbuns em declínio fez com que o ciclo de lançamento de comprimento total muito mais flexível, que por sua vez fez alguns grandes artistas questionar a necessidade de uma distribuição em grande escala de um single para rádio utilizado como eixo central para aquele deslanche.

Não é coincidência que o álbum auto-intitulado de Beyoncé lançado surpresa foi, de longe, o seu mais exploratório, ou Reading This, It’s Too Late de Drake caiu do céu no último fevereiro com apenas um gancho pop em sua lista de faixas. A mudança da indústria permitiu a lista de artistas rasgarem a lista de verificação comercial por assim dizer, e experimentar com seus sons de uma maneira que depende completamente o reconhecimento do nome em vez de vendas (insignificantes) de álbuns.

Isso nos leva a Miley Cyrus, que não poderia ter feito o álbum Miley Cyrus and Her Dead Petz se a indústria fosse a mesma que era há 15 anos. Ou, ela poderia ter feito este álbum, mas teria sido rapidamente considerado como suicídio de carreira.

Na sequência do enorme sucesso de 2013 do Bangerz – um álbum que levantou a ex-estrela da Disney das chamas de seu projeto Can’t Be Tamed e permitiu ela ressurgir, como uma fênix, em estado de estrela da arena – Cyrus fez 23 canções, propositadamente estranhas, com gravação psych-rock com Wayne Coyne e o resto dos Flaming Lips. Há um monte de referências a drogas, trechos abertamente para seu cão falecido e versos como “Eu quero muito/ Que você dedilhe meu coração”, em canções como “Bang Me Box”. É como se Cyrus estivesse se dirigindo adiantadamente aos seus pais por seu twerk e brincadeiras durante o Bangerz: Você não viu nada ainda!

Porque Miley Cyrus and Her Dead Petz é um álbum gratuito, Cyrus lançou de surpresa e ele não faz parte do seu multi-contrato com a RCA, no entanto, não é visto como o sucessor adequado para o Bangerz e, expectativas de Hot 100 não devem ser colocadas em cima dessas canções. Este é um projeto de paixão, não um projeto pop; esse é um nu frontal de Cyrus, logo depois que ela fez seu Ocean’s Eleven. Então pegue Miley Cyrus and Her Dead Petz com todo o ceticismo possíveç, e aprecie-o como o trabalho de um artista que, em vez de forma admirável, não será vinculada ao estrelato pós-teen pop que ela herdou menos de dois anos atrás.

Com certeza, algumas coisas do álbum são inaudíveis. Os intervalos bobos ajudam Cyrus a declarar que está bêbada e algo mais. “Milky Milky Milk” soa como se houvesse sido gravada numa versão raio-x de “Pee-Wee’s Playhouse”, com sons esquisitos acompanhados de estrofes como: “Sua língua me ordenha muito/E chupando seus mamilos/Lambendo leite, estrelas leitosas.” Tem semelhança com uma fluência da isolada tracklist do álbum, mas muitas músicas parecem que foram escritas rapidamente, e muitas vezes Cyrus age como se sua viagem drogada fosse mais picante do que a loucura habitual. É difícil culpá-la por colocar suas mais desequilibradas ideias em um deliberadamente bizarro álbum gratuito, mas essas ideias são bastante difíceis de digerir.

Mas Cyrus é muito habilidosa como artista para não colocar um pouco de beleza nessa loucura, e “Miley Cyrus and Her Dead Petz” desvia-se para um território pensativo quando menos esperado. Especialmente na primeira metade do álbum, a utilização de Coyne e equipe em umas das melhores músicas dos Flaming Lips desde Embryonic: “Karen Don’t Be Sad” é uma balada encantadora, com entrega vocal de Cyrus, recordando diretamente a grosa suave de Coyne sobre um arranjo acústico-led. Em “Tiger Dreams”, Ariel Pink dá uma parada para ajudar Miley a colocar seu melhor traje no estilo Karen O, em uma surpreendentemente efetiva exposição de desespero emocional art-rock.

E Mike Will Made-It está de volta ao grupo , após ajudar Cyrus a construir sua volta com “We Can’t Stop”; suas contribuições aqui são casuais, mas “Lighter” é uma de suas produções mais complexas até o momento, um pequeno suporte R&B com percussão magistral e um exuberante conjunto de sintetizador. “Quando eu preciso do fogo, você sempre é meu isqueiro,” Cyrus canta, mostrando um dos mais sinceros refrãos do álbum antes de passar por mais prolongadas reflexões sobre o amor e outras drogas.

Após “Bangerz” tê-la feito uma das artistas mais procuradas do planeta, Cyrus absteve-se de outro projeto pop grandioso – talvez porque ela simplesmente pode. “Isso é o que eu tenho o luxo de fazer,” ela contou recentemente ao The New York Times. “Eu apenas posso fazer o que quiser e fazer a música que eu quero.” Muito provavelmente, Miley voltará ao enorme mundo da música pop e sairá em turnê novamente, mas a música deste desvio é muito parecida com Miley: desarrumada, imperfeita, provocante e divertida. Essa é sua festa: ela pode fazer o que quer. Miley Cyrus and Her Dead Petz não é propriamente um convite para festas, mas Cyrus permitirá que seus fãs entrem pela porta dos fundos e brilhem ao seu lado.

Fonte: Billboard.com | Tradução: Lucas Gomes e Paulo Araújo – Equipe MCBR